quarta-feira, 17 de maio de 2017

A ESPIRITUALIDADE SEM DEUS


Lendo uma entrevista com o filósofo americano Sam Harris na revista “Veja”, foi interessante notar que ninguém neste mundo vive sem certa religiosidade, até o ateu que se autodenomina ateu é um ser religioso. Podemos questionar religiosidade na forma. Primeiro é preciso ver o que define religião, fé e crença. Averiguar porque o homem busca religião. E necessário entender que a fé exige um objeto de crença, assim como a religião. A grande diferença da fé é que podemos crer e ter a certeza daquilo que nós não vemos, mas que um dia veremos face a face. A religião está ligada mais nos atos religiosos, os rituais e normalmente estes atos são repetitivos, sem fundamentos e objetivos, fazendo por fazer porque os outros fazem ou porque você faz parte deste grupo, por tradição, porque meus avós faziam, então, por que não fazer? Nesse sentido o ser humano quando volta a pensar fica perdido, porque perdeu o sentido. Que sentido seria este? O sentido da vida. Qual seria o propósito da vida? E como a fé, a crença, ou a religião pode auxiliar nesta busca de respostas? Não é atoa que vivemos! E nós não vivemos apenas por viver. E se alguém acha que é isso, esse tal é insano e está totalmente enganado. Há um propósito, e com certeza é um grande propósito. Infelizmente entrevistas como estas, que trazem somente um ponto de vista levam à formação de opiniões unilaterais que deixam os leitores ainda mais perturbados ou se entregam aumentando as fileiras de um povo que segue a multidão sem questionarem.
O filosofo, escritor e neurocientista americano Sam Harris que publicou “O fim da fé” ou Morte da fé, em 2004, ele tinha uma cosmovisão que perturbou seus pensamentos, como muitos filósofos ateus que propagam suas convicções e tentam chamar atenção para seu próprio eu.  Ele diz que a espiritualidade deve ser distinta da religião. A maioria dos ateus que questionam Deus, que indagam sua existência, teve uma infância conturbada que envolveu a religião, a crença, a fé e a frustração. Eles chegaram a um ponto crucial de suas vidas, onde tiveram alguma grande decepção, alguns conflitos, e por não terem uma orientação adequada acerca do propósito da vida tomaram posicionamentos radicais. Vi isso recentemente quando tive uma experiência de um professor no curso de mestrado em ciência das religiões na Universidade Federal da Paraíba. Ele se dizia ateu tibetano, e estava cursando o pós-doutorado em filosofia das religiões.  De origem católica, demonstrava uma aversão total pela religião, mas o mais interessante é que ele confundia cristianismo com catolicismo, e falava coisas absurdas sobre o cristianismo sem conhecer profundamente o que é realmente cristianismo, ele pegou no meu pé, por ter um posicionamento contrário ao dele. 

Voltando ao Harris, ele foi filho de mãe judia e pai Quaker, imagine a mistura na cabeça da criança.  Foi fazer filosofia para concertar seus traumas e terminou fazendo doutorado. Sim! Uma pessoa com doutorado tem uma visão mais ampla, e praticamente todos o ouvem, ele pode falar o que quiser.  A mensagem básica de Harris é que devemos questionar livremente a ideia de religião e que realmente não necessário meditar com uma religião. Ele diz que não precisa de Deus para buscar certa sensação de prazer e felicidade. Sua primeira experiência foi com LSD, e depois com meditações budistas.  Os que se enveredam com drogas formam um grupo com hábitos que chega a caracterizar uma religião e também budismo é religião. É importante, também frisar o seu questionamento ateísta sobre a veracidade da Bíblia inspirada por um Deus Onisciente.  Suas convicções são infundadas, por não conhecer o autor e consumador da nossa fé. O verdadeiro cristianismo vai além das religiões, pois ele não busca êxtase para satisfação individual em uma meditação, mas busca uma harmonia coletiva de adoração, baseada numa verdade absoluta.

Pense nisso!

3 comentários:

Guilherme Augusto disse...

paz do Senhor!
conheci seu blog "por acaso" hehe
eu também tenho um:
guilhermeeaugusto.blogspot.com.br
Cheguei aqui com uma publicação sua falando sobre o crente ser feliz ou não... Deus continue te abençoando! Estarei te seguindo :)

Pastor Edson Sobreira Alves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pastor Edson Sobreira Alves disse...

Boa noite Guilherme, sou grato ao nosso Deus, por Ele nos usar de alguma forma para Seu Reino. Que o nosso Criador continue lhe abençoando e lhe proporcionando crescimento no seu conhecimento acerca dEle.