terça-feira, 15 de maio de 2012

AS PRÁTICAS DO HOMOSSEXUALISMO MATA


“Homofobia mata” é uma expressão incoerente, pois, colocou-se a palavra “Homofobia” no lugar da palavra “violência”. Todas as expressões homossexuais, visuais ou audíveis, que outrora eram escondidas entre quatro paredes foram trazidas às ruas copiadas do modelo de carnavais. Diante da contemplação de atos explícitos, resultaram em impactos de revoltas nas famílias de padrões conservadoras na sociedade que até então não eram atingidas com essa violência visual.

Despertou em alguns corações a revolta ultrajante, mas para outras pessoas que acham tudo novidade e modernidade cultural, aderiram ao movimento chegando a levar mais de três milhões de espectadores às ruas, contemplando e apoiando uma prática contra o próprio Deus.

Mas, quero leva-los a enxergar de um ponto de vista diferente, com outra perspectiva. A frase correta seria: “As práticas do homossexualismo mata”. E é com essa frase que quero levá-los a refletir. Mata aos poucos aquele que pratica, pois faz uma separação eterna entre ele e Deus, entre ele e grande parte da sociedade, mata a família de tristeza, pois muitas vezes, ele mesmo se separa da família.

Não existe um membro de família, que viva em um padrão cristão, que aceite incondicionalmente o homossexualismo, estou falando da prática e não da pessoa, mas, toda vez que temos contato com alguém que não quer ouvir sobre sua situação, não podemos separar o praticante de sua prática, se alguém disser que existe harmonia é porque um dos lados estará mentindo, fingindo, sendo hipócrita. Por mais que aparentemente, exista uma harmonia, os pais, no seu intimo sentirá uma tristeza profunda pela condição daquele ente querido.

A busca da felicidade para aqueles que seguem este caminho é algo impossível de alcançar, pois, se insistir em continuar em suas práticas, será como uma droga que precisa de uma dose maior para satisfazer seu desejo.

Existe uma incoerência, jamais algo errado contra Deus trará felicidade, pelo contrário trará angustia, sofrimento, tristeza, depressão, etc.

Na mente de um jovem estão os pensamentos, engessados, errados sobre o homossexualismo, por falta de um conhecimento mais profundo, quando eles querem pesquisar sobre isso irão com um pressuposto de defender aquilo de errado que está em sua mente, e na internet encontrará muito mais informações erradas do que certas e neste ponto entrarão em “parafuso”. Aqueles jovens que estão em sua formação sexual depois de constantes lutas em sua mente, perdem a batalha e desistem de tudo e partem para as práticas, porque muitas vezes lutam sozinhos, sem apoio da família, e são influenciados negativamente pelo mundo que apoiam essa prática.

A primeira impressão que o jovem tem, é de que ele nasceu assim. Essa é uma afirmação totalmente equivocada. Todas as experiências feitas até hoje, com toda tecnologia para constatar essa afirmação trazem resultados negativos. Mesmo assim, a mídia insiste e tem apoiado a prática homossexual como algo natural da vida do ser humano, para que o jovem viva feliz sem o peso do medo do pecado. Algumas pessoas vão dizer: “É melhor que ele viva liberto do pecado praticando o que ele quer”. Isso é uma grande incoerência e uma grande ignorância.

Seus desejos são maiores que suas convicções, todos sabem que é errado, sentem-se profundamente tristes no seu intimo, mas mesmo assim querem satisfazer os seus desejos carnais e se esquecem de tudo que aprenderam e viram. O egoísmo é mais forte, não importando as consequências que terão que enfrentar o resto de suas vidas. Esquecem-se do exemplo de seus pais, esquecem-se do modelo de família. A liberdade sexual dos anos 60 deliberou uma liberdade acima dos padrões, e afirmaram que essa é a verdadeira liberdade. Os homens a partir de então, extravasaram e esqueceram daquilo que já estavam gravados em seus corações desde o principio da Criação. O apostolo Paulo fala sobre isso: “semelhantemente, os homens também, deixando o contato natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro.” (Romanos 1:27).

A sociedade aceita o homossexualismo com naturalidade desde que aquelas famílias que formam essa sociedade não sofra na pele, pois quando acontece o mesmo com uma delas sofrerão como todas as outras e seus pensamentos serão diferentes.

Existe outro equivoco em relação à posição contrária dos evangélicos em relação ao homossexualismo. Com certeza existem pessoas radicais e sem sabedoria para tratar do assunto. Falam o que não devem e ultrapassam os limites de suas atitudes para expressar sua indignação e terminam agindo brutalmente contra a pessoa que segue essa prática, mas na realidade não são somente aqueles que são ou se dizem “evangélicos” que agem assim, na realidade existem pessoas que independente de suas crenças agem negativamente não só contra homossexuais, mas contra qualquer minoria contrária a maioria.

Todos deveriam ler mais sobre o assunto para tratarem corretamente com aqueles que cegamente seguem a prática do homossexualismo.



Na realidade o crente com padrão cristão, que tem a convicção de fé e prática nas Escrituras e creem que as palavras das Escrituras sagradas é a voz de Deus, e realmente é. Diante disso em textos claros e diretos podemos distinguir o certo do errado. A própria pessoa que parte para uma prática como essa se conseguisse gastar um tempo para ler as Escrituras chegaria a essa conclusão. Mas, a sociedade liberal e incoerente, que ao mesmo tempo apoia e ao mesmo tempo recrimina esta cada vez mais favorecendo esta prática.

Nunca vimos tantos jovens partindo para esse horrível comportamento. Nunca vimos tanta tristeza nas famílias como está acontecendo. Então, podemos perceber que, por outro lado, está havendo, gradativamente, uma aceitação insana para aliviar o sofrimento de um pai ou de uma mãe. Nunca um pai ou uma mãe se sentirá feliz em ver seu filho ou filha criados com todo o cuidado, carinho, amor e de repente muda toda a trajetória de sua vida. A insensibilidade cresce a cada momento e o sentimento puro sede lugar ao egoísmo exacerbado. “O que me importa, a vida é dele”, e outros, indignados irão agredir, e outros irão dizer mesmo com uma grande angustia no coração: “Vai meu filho, segue seu destino e encontre a felicidade”, que felicidade!

O Senhor Jesus, o Filho de Deus vivo, sim, quer você acredite ou não, pode-se afirmar que Ele nasceu, viveu entre nós e ressuscitou, na qual a fé não é baseada em evidências infundadas, mas em uma realidade comprovada, historicamente e arqueologicamente, Ele disse: “... Não tendes lido que o Criador, desde o princípio, os fez homem e mulher” (Mateus 19:4).

É claro que Deus criou o homem e a mulher, não existe meio termo ou outro tipo de sexo. Outra coisa é que quando o casal se une formará uma só carne, veja o que a Bíblia diz: “Eis por que deixará o homem a seu pai e a sua mãe e se unirá à sua mulher, e se tornarão os dois uma só carne” (Efésios 5:31). Então sabemos que jamais a união de dois homens ou duas mulheres, formará uma só carne. O casal formado de homem e mulher (daqui pra frente devemos nos expressar assim, pois, já estão falando que dois homens e duas mulheres podem ser chamados de casal) se completa, pois um foi feito do outro, “E a costela que o SENHOR Deus tomara ao homem, transformou-a numa mulher e lhe trouxe”. Gênesis 2:22



Não sabemos o que fazemos se quando alguém que nós amamos resolve tomar um caminho de perdição. Ficamos sem ideia, “sem chão” de como devemos tratar, então oramos. Pedimos ao nosso Deus misericórdia. Quantos já passaram por isso, e quantos passarão?

Imagine que um filho ou uma filha sua que nunca expressou corretamente suas vontades e de repente diz: “Pai eu quero assumir minha sexualidade, sou homossexual e estou procurando um relacionamento sério, mas não se preocupe, não sou daqueles que demonstram, serei discreto (a) e só saberão se eu disser.” E ainda mais se no contexto da igreja (pois, já está atingindo nossas igrejas): uma criança que viveu dentro da igreja, aprendeu a doutrina, era dedicado ao Senhor, e em sua casa você criou sempre mostrando o que é correto e de repente em sua adolescência dá uma notícia como esta. Abandona a igreja, os amigos e até a família e vai viver sua vida.

Você já ouviu de muitas outras famílias com este problema, mas nunca acha que poderá acontecer com você, doce engano. Isso está se proliferando como uma epidemia, meninos e meninas cada vez mais estão enveredando por este horrível e cruel caminho em suas vidas.

O comportamento humano tem sido afetado drasticamente nas ultimas cinco décadas, com a liberdade sexual e sua divulgação nos grandes meios de comunicação.

Valores têm sido trocados, como o valor da família, por exemplo. Entediamos que família era constituída de pai, mãe e filhos, mas hoje, poderemos encontrar. Filhos com dois pais, filhos com duas mães, um grande absurdo!

Quantos pais estão sofrendo?

Quando você imagina que seu filho quer agir como uma garota atrás de garotos, ou sua filha quer agir como um homem, você fica desesperado, indignado, não entende como isso pode acontecer.

Certa vez uma linda jovem, formada, gerente de uma loja, já noiva de um belo rapaz, terminou seu relacionamento, para mudar para um relacionamento homo afetivo, cortou o cabelo, engordou muito e quando a vemos não podemos reconhecê-la. Vive uma aparente felicidade que de vez em quando podemos ver sua oculta tristeza.

Como uma pessoa pode cometer tão horrível prática. Isso não é natural, Deus não fez assim, então como pode haver tamanha cegueira, e tamanha ilusão? Por que os valores foram trocados?

Por mais que esse jovem ou essa jovem satisfaça seus desejos canais, jamais serão felizes com quem quer que estejam. Pois, no seu intimo estará a realidade do seu ser em confronto com seu intimo e estará sempre em frustração.

Na nossa mente, pensamos: por que tal jovem não deixa toda essa angustia e volta ao estado natural? Existe uma complexidade nestas vidas e devemos compreender a fundo este estigma cruel. E é claro, devemos ajudar estes jovens a enxergarem o lamaçal em que estão enveredando, e mostrar que eles não nasceram assim, como muitos pensam. Dizer para eles que existe uma solução, que isso não é eterno e que eles podem desfrutar do amor do sexo oposto, desde que eles entendam que precisam de ajuda.

Quero terminar contando a história de “Paulinho” (nome modificado para preservar a família). Nos anos 1990, Paulinho era um jovem bonito, inteligente e promissor, mas aos quinze anos veio o mais angustiante comunicado dele para sua família, pai, mãe e irmãs. Ele disse “Eu sou homossexual”, o que família poderia fazer? Logo o jovem saiu de casa e foi seguir seu destino, talentoso, cantava muito bem e dançava e logo foi para a Europa. Lá ficou famoso, a mídia o divulgava como “Paulinha”. Ganhou muito dinheiro e desfrutou de todos os prazeres que desejava e quem olhasse pra ele jamais poderia dizer que ele era um homem. Anos se passaram e sua família recebiam notícias que ele estava em plena felicidade. Certa noite, sua recebe um telefonema, seu filho estava internado com muitas marcas no corpo, debilitado. Sua mãe quase não podia falar com ele, mas finalmente pode falar, então recebeu a segunda notícia que jamais queria receber, seu filho estava com AIDS. Ele já estava em fase terminal, naquela época o coquetel de medicamentos para essa doença estava em faze de pesquisa e era de difícil acesso, a doença era descoberta tarde demais para o tratamento. Logo sua mãe partiu para a Europa. Os médicos não queriam liberar a sua viagem para o Brasil. Mas, finalmente ela conseguiu trazer seu filho. Na sua casa se aglomerou muitos homossexuais que tinha “Paulinho” como um ídolo. Cada vez mais sua saúde estava se exaurindo, alguns evangélicos começaram a chegar a sua casa. Mas, ele não os queria ouvi-los, então em seu leito cobria seu rosto com um lençol como se estivesse dormindo. Mas, mesmo assim, eles liam a Palavra, cantavam e oravam por ele. Assim se procedeu durante meses. Um dia eu meu pastor na época fomos visita-lo e vimos seu triste estado. Oramos e saímos. Após algumas semanas ouvimos a notícia de sua mãe, que ele havia se convertido a Cristo, certa manhã ele sentou em seu leito e participou com os cristãos e no final disse que queria receber Cristo. A partir daquele momento pediu que tirasse todos os quadro, pôsteres, e CDs que ele tinha no quarto, afirmou com convicção que entendia que o seu Deus o tinha feito homem, e que ele era homem. Pediu perdão a Deus por tudo o que tinha feito de errado contra Ele. Ele tinha convicção que partiria daquela vida, mas que tinha certeza que estaria com Deus eternamente. Depois de ter visitado a igreja, com muito esforço e ter dado seu testemunho perante a congregação, voltou para seu leito e ali reuniu todos da família e partiu com um sorriso expresso no rosto para a eternidade. Todos se converteram: o pai, a mãe, as irmãs, os cunhados.

Existe esperança, mas não espere até chegar à situação de “Paulinho”.

Existe somente um meio de escapar de tudo isso, confiando no Criador através de Seu filho, o Senhor Jesus Cristo.



Pense nisso!



Pastor Edson Sobreira Alves

Igreja Batista Regular em Mangabeira – João Pessoa - PB

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Radicalizando o certo e não o errado


Quando falamos de radical, queremos falar de extremos, acentuado, de intensidade ou grau de máximos, que envolve riscos fora do comum e exige grande perícia.

Por outro lado podemos dizer que radical é relativo ou favorável a mudanças sociais profundas e completas. E eu não conheço nada radical e profundo que pode mudar uma sociedade para o bem do que o cristianismo

O homem procura atiçar a adrenalina e busca tudo que a faça manifestar. Pratica tudo que é radical, acima do padrão, não estou falando da prática de esportes saudáveis, ou especificamente de esportes radicais, mas estou falando de tudo e de todos aqueles que não se contentam com limites e padrões e sempre buscam algo mais acima de sua capacidade, fazendo assim, os resultados na maioria das vezes serem desastrosos. Em tudo há limites, e devemos adotar sempre um padrão. No coração do homem, mesmo obscurecido e manchado pelo pecado, está gravada uma lei natural que foi definida pelo Criador. Mas, mesmo assim o homem busca em qualquer área objetivando o extremo, quer seja nos estudos na religião no esporte, no relacionamento, dando ênfase ao egocentrismo. É loucura, e isso torna perversidade para com o próprio ser e para com o próximo. Veja o que Salomão disse em Eclesiastes 7:17 “Não sejas demasiadamente perverso, nem sejas louco; por que morrerias fora do teu tempo?”.

O ser humano termina sendo perverso e louco, caindo nas sequencias de maus hábitos inconsequentes, sendo preso, e sem perceber nos seus próprios atos será levado à morte prematura. A bebida, por exemplo, que começa com alguns copos de cerveja, em uma roda de jovens amigos que terminam na radicalidade da sarjeta, ou na solidão com garrafas e mais garrafas acompanhadas com a cirrose que o levará à morte.

Basta se envolver em um grupo radical que extrapolam padrões, que o jovem que nunca viveu neste meio e não está firmado verdadeiramente em Deus será uma presa fácil para cair nas ilusões infundadas e perigosas. Muitos se acham sábios, achando que ser radical irá mudar o mundo, mas na realidade o maior prejudicado é ele mesmo. Deus é o Senhor da sabedoria e seus preceitos e oráculos são profundos e verdadeiros. Paulo escrevendo aos crentes de Corinto disse que a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus, pois toda a sabedoria do sistema é usada para os próprios interesses, o individualismo, o egocentrismo, reina, e Deus não é enganado diante destes objetivos, “Porque a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus; porquanto está escrito: Ele apanha os sábios na própria astúcia deles.” (1 Coríntios 3:19).

A natureza do homem é perversa por causa do pecado. Mas para o homem natural, isso não é claro e aquilo que parece ser bom para ele, na realidade é obscuro e quando é revelado na luz se mostrará que é mau. O apostolo Paulo nos chama a atenção da seguinte forma: “Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.” (1 Coríntios 2:14).

O pecado é contagioso e tem uma grande influencia que facilmente destroem jovens e adultos constantemente, levando-os ao extremo. Basta nascer e já estamos contaminados e esta “doença” nos acompanhará até que pela misericórdia de Deus, Ele lhe dará o único antídoto, Seu Filho Jesus Cristo.

O Senhor Jesus faz uma analogia do pecado com a cegueira. Fala dos homens que não enxergam a realidade da verdade no Senhor, e toda a humanidade entra nesta categoria, eles ultrapassam limites, sendo radicais em seus próprios entendimentos, assim pisando em campos minados por não enxergarem aquilo que parece estar escondido. É como se um cego tentasse ajudar outro cego a atravessar uma avenida muito perigosa de veículos em alta velocidade, apesar de ouvirem o ronco dos motores, se sentem motivados a tentarem atravessar e ambos serão atropelados, ou andando nas altas montanhas e chegando a um grande precipício, ambos serão lançados ao chão. “Deixai-os; são cegos, guias de cegos. Ora, se um cego guiar outro cego, cairão ambos no barranco.” (Mateus 15:14).

O pecado deixa o homem cego, surdo e louco. Mas, somente Jesus cura.

O cego de nascença dá seu testemunho: “Ele retrucou: Se é pecador, não sei; uma coisa sei: eu era cego e agora vejo” (João 9:25). Indagando ao homem que foi curado, tentam dizer que aquele que o curou era pecador. Os homens não aceitam tal testemunho mesmo vendo aquilo que parecia impossível, pois o que é radical mesmo sendo certo não será aceito.

Quantos tiveram contato com o poder de Deus em sua vida, conheceram a salvação em Cristo e agora estão longe do Evangelho, estes são loucos! O apóstolo Pedro diz: “Pois aquele a quem estas coisas não estão presentes é cego, vendo só o que está perto, esquecido da purificação dos seus pecados de outrora”. (2 Pedro 1:9)

Se você ainda não consegue enxergar, não tem forças para andar ao lugar de adoração, não consegue sentir-se limpo de seus dolorosos pecados, não consegue ouvir a vós do bom pastor, e ainda não nasceu de novo. Você ainda não conhece o Rei dos reis, o Senhor dos senhores. Acorde!

Toda a cura física na trajetória do Filho de Deus aqui na terra serviu para testificar o que os profetas já falavam a centenas e milhares de anos atrás. E os judeus não reconheceram o Messias. Você também não quer reconhece-lo? Pois está perdendo o maior tesouro de sua vida.

João Batista queria saber se Jesus era o Messias, e Cristo em resposta manda dizer:

“Então, Jesus lhes respondeu: Ide e anunciai a João o que vistes e ouvistes: os cegos veem, os coxos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e aos pobres, anuncia-se-lhes o evangelho.” (Lucas 7:22). Ele também diz ao seu coração: , “olha eu existo, estou aqui pronto, de braços aberto para cuidar de você.”.

Mas tudo isso serve também de exemplo do maior poder de cura, a alma.

Pensamos somente nesta vida, nos bens materiais que podemos adquirir, na saúde que podemos ter e nos prazeres que tudo isso pode trazer. Mas, há um tremendo engano diante de tudo isso. O prazer fora da vontade de Deus é passageiro, mas, dentro da vontade de Deus é eterno.

Sendo radical para o que é certo, essa será a atitude correta de cada um que tem a oportunidade de conhecer o criador.



Pense nisso!

Pastor Edson Sobreira Alves

Igreja Batista Regular em Mangabeira – João Pessoa - PB



sexta-feira, 4 de maio de 2012

Jovens cristãos ou humanistas nas universidades



Muitos jovens que nascem em lar cristão são ensinados que o mundo não oferece nada de bom. Quando falamos do mundo, falamos do sistema corrupto e das ideias equivocadas do certo e errado.

Os jovens participam das programações das igrejas e estão no convívio de outros da mesma fé. Quando crianças, as mesmas são protegidas de todo o mal que existem no mundo no qual afetam diretamente e negativamente o povo de Deus. As crianças mais privilegiadas estudam em colégios cristãos (evangélicos) e neste período estarão “incontaminadas”. O grande impacto acontece quando nossos jovens passam no vestibular e seguem para a universidade. A mudança é brusca, e sua rotina tornasse diferenciada com os trabalhos, reuniões e etc. Universidade é um universo de conhecimento de tudo sobre a vida humana e praticamente nada sobre a vida espiritual. Muito diferentes das primeiras universidades que foram iniciadas pelos cristãos, a mais famosa e conhecida até hoje, é a universidade de Harvard que enviou muitos missionários ao mundo inteiro espalhando o cristianismo que transformou muitas vidas, mas atualmente, infelizmente, Harvard é a maior faculdade de administração (MBA) e não há mais nenhuma pequena sala de teologia.

É obvio que existem verdades em todo o universo, não será diferente na universidade, o problema é a ênfase. Todo o conhecimento vem de Deus, mas uma grande parte é deturpada por mentes egoístas. Na universidade pouca se fala sobre Deus, não se fala que grandes cientistas como Einstein e Johannes Kepler falavam, estudavam e eram confiantes e submissos ao Supremo e Todo poderoso Deus. Muitos dos educadores são ateístas (Deus não existe) e em suas ministrações do conhecimento acrescentam sua insana crença da não existência de Deus. O apóstolo João fala sobre estes falsos mestres: “Filhinhos, vós sois de Deus e tendes vencido os falsos profetas, porque maior é aquele que está em vós do que aquele que está no mundo”1 João 4:4. A nossa consciência do maior vai até aonde?

Infelizmente a maioria dos jovens chega às universidades, despreparados no conhecimento e na sua formação psicológica para enfrentar o mundo. Com isso, a absorção de todo conhecimento como verdade é assimilado e aplicado em sua vida. A formação profissional vem no pacote com a ênfase no conhecimento humanista. Humanismo é a ênfase egocêntrica no homem, em que a força, o conhecimento, a soberania, a superioridade está no homo sapiens. Em Judas 1:10 diz: “Estes, porém, quanto a tudo o que não entendem, difamam; e, quanto a tudo o que compreendem por instinto natural, como brutos sem razão, até nessas coisas se corrompem”. Então devemos perguntar como ficam nossos jovens no meio desse emaranhado, no meio desta tempestade de conhecimentos revestidos de puro humanismo? Se o jovem não for convicto em sua crença certamente será influenciado negativamente e em menos de dois anos estará longe de tudo que conheceu sobre a criação e seu Criador. Bem diferente dos jovens: Daniel, Hananias, Misael e Azarias que tinham a convicção de não se contaminarem com os costumes do mundo (Daniel 1:8).

O discípulo amado inspirado pelo Espirito Santo nos ensina: “Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele;” 1 João 2:15. Quantas famílias têm sofrido com seus filhos que eram uma benção na igreja, participavam das programações, faziam especiais e demonstravam uma fé inabalável no Senhor, mas quando foram para universidades, aconteceu uma desconstrução. Ao invés de manterem suas convicções diante dos outros foram submetidos a seguirem a maioria. Eles são envolvidos a participarem de “trotes” de comemorações e passeios promovidos pelos estudantes que muitas vezes não estão no currículo. A força do grupo é maior, poucos dos jovens cristãos não ficarão abalados com o movimento influenciado pela maioria. Jovens cristãos que viveram uma vida tranquila e não tiveram contato direto com o mundo quando chegam à universidade sentem o interesse de conhecer o mundo e escolhem a porta mais fácil, os “amigos” da universidade. Estes amigos parecem serem pessoas sensacionais que trazem grandes novidades, promovem momentos descontraídos sem limites, que liberam a adrenalina e desfazem todos os entraves de proibições que outrora faziam parte de suas vidas. Nesse interim, se esquecem de tudo que aprenderam. Esquecem que não existe harmonia entre a luz e as trevas. Esquecem que devemos sim viver no mundo, mas não devemos nos amoldar a ele (Romanos 12:1, 2). Estes amigos têm grandes influencias, o apóstolo João confirma isso: “Eles procedem do mundo; por essa razão, falam da parte do mundo, e o mundo os ouve”1 João 4:5. Esquecem que a nossa função não importando onde e com quem estivermos, é fazer a diferença para levar aqueles que estão longe da verdade absoluta. Esquecem que nossa função como cristão é proclamar as boas novas aos perdidos. Quando estive na universidade, eu já era cristão, e pela misericórdia de Deus, não fui influenciado negativamente, nem pelos professores e muito menos pelos colegas, pelo contrário consegui conviver com um grupo pelo qual os influenciei positivamente demonstrando minhas convicções em nosso Deus verdadeiro, não fui excluído pelo contrário fui respeitado. Quando me tornei professor de economia estava estudando teologia para o pastorado, meus alunos sabiam que eu praticamente era pastor e eu os influenciava positivamente a seguir o Criador sempre que tinha oportunidades em minhas ministrações.

A mídia tem influenciado todos os jovens, tantos os não cristãos quanto os que são. Os filmes mostram que os maus são bons e que os bons são ultrapassados. Não existem filmes que valorizem o cristianismo, que valorizem o bem, o certo. As pessoas torcem para que os policiais não consigam pegar um jovem casal que roubou milhões de dólares de um banco, e que os grandes heróis são os vampiros dos quais retratados por belos jovens que conseguem conquistar as belas jovens. Os jovens acham emocionante que zumbis ataquem os vivos e no final das contas a ênfase estará nos zumbis que são os mais retratados e valorizados. O mundo não sabe que todos os homens são como zumbis, mortos espiritualmente até que a misericórdia de Deus os alcance e os fazem voltar a viver através do Seu Espírito que nos é entregue. Ficamos felizes quando entregamos nossas vidas a Cristo. Mas, muitos jovens jogam tudo isso fora como lixo, trocando a pérola que vale muito mais que todo o dinheiro do mundo, por míseras moedas que são gastas rapidamente por um chiclete que logo perde o seu sabor. João fala sobre o valor do mundo: “Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente” 1 João 2:17.

Nossos jovens precisam acordar, fazer a diferença nas universidades. São poucos jovens cristãos, mas tem que serem unidos para fazerem a diferença neste mundo conturbado. Podemos vencer o mundo porque temos um grande aliado, veja o que Joao diz: ‘Quem é o que vence o mundo, senão aquele que crê ser Jesus o Filho de Deus? 1 João 5:5.

Devemos preparar nossos jovens para enfrentar o mundo como ele é. Eles devem estar preparados para a defesa da fé como um jovem soldado que vai para guerra para defender sua pátria.

Quero encerrar esse assunto com a citação de Judas 1:20-25

“Vós, porém, amados, edificando-vos na vossa fé santíssima, orando no Espírito Santo, guardai-vos no amor de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo, para a vida eterna. E compadecei-vos de alguns que estão na dúvida; salvai-os, arrebatando-os do fogo; quanto a outros, sede também compassivos em temor, detestando até a roupa contaminada pela carne. Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeços e para vos apresentar com exultação, imaculados diante da sua glória, ao único Deus, nosso Salvador, mediante Jesus Cristo, Senhor nosso, glória, majestade, império e soberania, antes de todas as eras, e agora, e por todos os séculos. Amém”

Pense nisto!
Pastor Edson Sobreira Alves

Igreja Batista Regular em Mangabeira – João Pessoa - PB