quarta-feira, 13 de agosto de 2014

APREDENDO E VIVENDO



A frase do dito popular é “vivendo e aprendendo”. Mas, o que vem primeiro, o viver ou o aprender? Vivemos o que aprendemos ou aprendemos para viver?

Ao abrir o amanhecer da vida, o ser humano recém nascido é submetido ao aprendizado ao longo de toda sua existência. Aprendemos com nossos pais as primeiras palavras, os primeiros passos. Tudo aquilo que aprendemos, carregamos como bagagem na caminhada de nossa existência, bagagens boas e bagagens ruins. Ao ouvirmos as palavras que ressoam em nossa volta vamos associando e finalmente sabemos que ao pronunciarmos tais palavras e frases estaremos interagindo em nossa comunicação com os outros, ninguém que aprende a falar deixa de usar suas vozes para se comunicar, ninguém que aprende a andar, deixa de usar suas pernas para se locomover estando em sã condição.

Um médico aprende a cuidar da saúde de seus pacientes, mas se ele não usar seus conhecimentos não exercerá sua profissão. É certo que aprendemos muitas coisas que achamos desnecessárias para nossa vida. Muitos odeiam matemática, física ou química, mas muitos vivem desses conhecimentos.

O que é que realmente vale de tudo aquilo que aprendemos para termos uma vida plena?

Existem verdades absolutas que devemos seguir como princípio regulador de nossa existência, nas quais muitos ignoram e dizem: “Não há verdade absoluta”.

Primeiro porque acham que verdades absolutas ferem sua liberdade de ser. Os princípios cristãos são verdades absolutas ensinadas pelo próprio Criador que criou todas as coisas. Estes princípios regem o mundo desde que todas as coisas foram criadas, as leis físicas, químicas e matemáticas foram feitas por Deus e à medida que o homem adquiriu mais conhecimento vai descobrindo essas leis, mas elas estavam sempre lá.

As leis morais são universais, pois foram instituídas para manter um padrão favorável à vida social equilibrada em que o homem deveria viver.

Em segundo lugar, eles não crêem em verdades absolutas por acharem que não exista o Criador de todas as coisas.

Todas as respostas necessárias que a humanidade busca desvendar no universo, acerca de sua existência e seu propósito de vida neste mundo está nas Escrituras Sagradas que são palavras do próprio Deus. Mas só conseguimos enxergar esta realidade, quando o próprio Criador nos toca, nos faz acordar de uma morte espiritual causada pelo pecado.

A base de todas as Escrituras é Cristo, ele está presente tanto no Antigo Testamento quanto no Novo Testamento. Ele é a resposta para nossas duvidas, é alicerce para o nosso conhecimento. Ele disse em Mateus 11:29 “... aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração e achareis descanso para vossa alma”. Quando ele toma conta de sua vida, sua mente deturpada pela barreira do pecado é desobstruída e você se livra para enxergar a verdade absoluta. Aprendemos tudo o que é necessário acerca dele para vivermos uma vida plena.

Você deve viver como Paulo diz em Gálatas 2:20 “logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim”

Mas, aquilo que aprendemos sobre ele que serve como padrão para sermos iguais a ele, tem que ser exercido em nossa vida, tem que ser aplicado em nosso cotidiano. Temos que ser como um médico exercendo aquilo que ele estudou e aprendeu, aplicando em sua vida e na dos outros. Mas, na maioria das vezes somos como um profissional formado na mais famosa universidade que não exerce sua profissão e somos como engenheiros, professores, economistas, em uma fila de emprego disputando uma vaga para gari – não desmerecendo o profissional que mantém a limpeza da cidade, que por sinal é muito honrosa e deveria ser bem remunerado – mas estou tentando fazer uma ponte daquilo que aprendemos acerca de Deus e não aplicamos em nossa vida.

Aprendendo e vivendo, só podemos ter uma vida plena quando aprendemos que devemos ser humildes como Cristo foi e nos ensinou a ser, se aplicarmos esse ensino em nossa vida. Só realmente viveremos o cristianismo se amar como Jesus amou e perdoar como Ele perdoou se tivermos domínio próprio como o Senhor demonstrou. Se observarmos, aprendermos e aplicarmos o frutos do Espírito (Gl 5:22) em nosso ser, buscando o caráter de Deus, expressando aquilo que aprendemos como nossos atos de justiça seremos parecidos com Cristo.

Milhões de pessoas estão nas igrejas aprendendo acerca de Cristo e seus ensinamentos, mas não vivem aquilo que aprendem.

O nosso desafio é abrir primeiro os nossos olhos e depois os dos outros para sermos como um profissional dedicado aplicando aquilo que aprendeu para viver em uma verdade absoluta.

Você tem vivido aquilo que aprendeu na Escola Bíblica Dominical, nas pregações do culto de adoração, você tem anotado e analisado, tirado suas dúvidas para aplicar em sua vida e na vida de sua família?

Você precisa aplicar em sua existência, aquilo que você aprende acerca do Criador e terá uma vida plena com valores absolutos.

Pense nisso!

Pr. Edson Sobreira Alves – Igreja Batista Regular de Mangabeira – João Pessoa - PB