segunda-feira, 31 de maio de 2010

Despertar para a vida

Acorde! Você ainda está dormindo?




Você ainda não percebeu a importância que você tem agora depois que nasceu de novo.Certa vez, Cristo disse que se alguém não nascer de novo não pode ver o Reino dEle (João 3.3). Isso significa que você já pode ver. Se ainda, você está dormindo, como poderá ver e ouvir aquilo que você jamais imaginou em sua vida, que nosso Deus tem preparado para você, que O ama (1 Coríntios 2:29). Parece que você ainda está vivendo no velho homem, de vez em quando esta praticando velhos hábitos que agora não valem a pena ser praticados, ainda esta preso ao pecado, acorde!



Você está liberto, os grilhões foram quebrados, as algemas foram abertas, as portas foram derrubadas e os muros ruíram, não existem mais barreiras para a verdadeira liberdade. Você agora não está mais cego, a venda de seus olhos foi tirada, em João 9.25 o cego que foi curado por Jesus disse: “eu era cego, e agora vejo”, você também agora pode enxergar a vida.

Lembra que antes você não entendia a sua existência, vivia uma vida em busca de satisfação que nunca era preenchida, seu deus era distante demais, parecia que não existia. Andou por vários caminhos, fez tantas besteiras, “meteu os pés pelas mãos”, magoou tantas pessoas, mas agora! Um novo horizonte surgiu na frente de seus olhos. Você começou a entender o verdadeiro sentido da vida, você aprendeu que deve glorificar, honrar o nome de Deus em sua vida e isso que é essencial para uma vida plena de satisfação e alegria.

Você descobriu que faz parte de um grande plano do Criador, você foi escolhido, consagrado antes de ser formado no ventre de sua mãe, e Deus já o conhecia. (Jeremias 1:5). Deus lhe escolheu para ser chamado de Seu filho.

Você não é mais o mesmo, não precisa ter insegurança, medo, inveja, rancor e tristeza. Pelo contrário, nosso Criador nos proporciona o Seu cuidado direto, Ele o segura pela mão direita, então, você está seguro. Deus o está protegendo ao seu lado, não temas. Ele te dará tudo o que for necessário, muitas pessoas tem muitos bens, mas não tem o tesouro que você tem. Se você tem rancor e magoa de alguém, vá até essa pessoa e a perdoe, Deus lhe dará coragem.

Desperte para a vida, você agora tem um propósito, a sua missão é propagar a verdade que está em Cristo Jesus.

Acorde!

Pense nisso!

“mas, como está escrito: Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam.” 1 Coríntios 2:9

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Superação dos nossos limites





Tudo parecia impossível aos olhos daqueles que o observavam. Ele estava caminhando para a morte, não havia mais nada o que fazer, ele fora condenado e agora estava andando no corredor para sua sentença final, todos perderam a esperança. Ele era a nossa solução de libertação, ele seria nosso justo comandante que nos libertaria das garras de um governo injusto. Entretanto, continuaríamos vivendo naquelas difíceis condições. Mas por que ele estava ali, ele era tão bom, suas atitudes eram boas, mas a injustiça de sua condenação o levava ao extermínio, não havia mais apelação, não havia direitos humanos, não havia juiz justo. Finalmente o colocaram no lugar de execução, uns choravam outros zombavam dele e daqueles que o seguiam. Então ele foi executado. Toda a esperança acabara e o seu corpo humano não resistiu aos seus limites então, chegara ao fim [...]

O ser - humano é complexo, assim como o universo, um tão perto e outro tão distante, ambos criados pela mesma pessoa, o Deus todo poderoso. Toda a criação tem suas limitações. A complexidade tem sido desvendada aos poucos. Mas, diante de tudo isso, a sabedoria humana é sobreposta pela sabedoria do Criador em proporções inimagináveis. Somos tão limitados e dependentes de Deus e isso na realidade é uma dádiva, mas, para uns, isso parece ser uma prisão.

Procure olhar em sua volta, em seu campo visual e em seu ponto de vista, você não consegue por si só, sem recurso externo, mecânico ou tecnológico, ver na frente de lado e por trás ao mesmo tempo, ou enxergar a uma distância longínqua. Tudo isso não se estende apenas no campo visual, mas no tato, no olfato, na audição, no cheiro, enfim em todos os sentidos há limitações.

O homem sempre tentou superar suas limitações, buscando vários tipos de alternativas. Os recordes batidos mostram a superação de seus próprios limites. E isso fascina as pessoas, os que quebram os recordes são aplaudidos, reconhecidos, até que outro venha a superá-los.

Vencer uma corrida, um campeonato, uma doença, qualquer coisa que seja acima de nosso limite, nos dá alegria. Quando olhamos para uma criança pequena  que dá seu primeiro passo ou que fala sua primeira palavra, isso nos deixa radiante de felicidades. Quando um filho passa em um vestibular de grande concorrência ou se nós conseguimos uma vaga de trabalho em uma importante empresa, isso também nos trás grande satisfação. São momentos importantes de superação.

Vivemos limitados e às vezes reclamamos da vida, por que não sou assim? Por que não tenho isso?

Sendo pessoas normais com visão, com braços e pernas, com ouvidos perfeitos, ainda assim, reclamamos de nossa aparência, “meu cabelo deveria ser assim, eu queria ser mais alto, meus olhos são castanhos, meu nariz é grande", etc. e etc.

Como podemos superar nossas aparentes fraquezas? Sempre que enfrentamos algo novo indagamos: "não consigo! Eu não posso!" São frases constantes.

O tempo passa e percebemos que perdemos muitas oportunidades. Poderíamos fazer muito mais superando nossas limitações.

Agora, olhe para um cego ou uma pessoa em cadeira de rodas, conversem com elas. Estas pessoas geralmente gostam de ler, de praticar esportes, gostam de sorrir. Quantos de nós não gostamos de ler? Quantos de nós não praticamos algum esporte? Quantos de nós não sorrimos?

Superação e limitação são duas palavras que complementa uma a outra, onde uma termina a outra começa. Limitações que nós não temos não são barreiras para muitas coisas que achamos que não conseguimos mesmo não tendo deficiência. Há pessoas que vivem com alegria no coração e superaram suas barreiras. Uma barreira maior que foi superada por nós e não fizemos nada para transpor essa barreira, foi o pecado.

[...] aquele homem que foi condenado a morte, no terceiro dia ressuscitou, Ele superou a morte e transferiu a todos nós a dádiva da vida eterna. Somente Deus poderia superar esta barreira. Devemos ser gratos a Ele, pois jamais poderíamos com nossas limitações receber esta dádiva.

O autor de Hebreus diz que Jesus Cristo é superior aos profetas, aos anjos, a Moisés, ao sacerdócio, superior a aliança. Ele superou todas as coisas, em Cristo podemos superar nossas fragilidades.

Em Cristo Jesus superamos nosso maior limite, a morte.

Pense nisso!
Pastor Edson Sobreira Alves

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Responsabilidades de seus atos


 Desde que o homem foi criado por Deus, ele recebeu responsabilidades como: dar nomes aos animais (Genesis 2.19), cuidar da criação de Deus e obedecer a Deus. Ele teria que ser obediente.


A obediência é a parte mais importante das responsabilidades do homem. É uma lei gravada no em seu coração corrompido. Por isso, aprendemos que devemos obedecer aos pais, aos chefes e principalmente a Deus.

Foi por causa da desobediência do primeiro homem, que entrou o pecado no mundo, desde então houve um desequilíbrio em toda a Criação. O homem foi condenado pela sua decisão e toda sua descendência sofreu as conseqüências.

Hoje os homens são totalmente cegos, corrompidos pelo pecado, burlam todas as regras e leis para terem uma vida voltada para satisfazerem seus desejos e interesses insaciáveis. A corrupção é o fator mais forte que causa a desobediência. Muitos se envolvem no sistema em que estão inseridos. É a lei do menor esforço que leva a humanidade a agir de forma errada para alimentar seus impulsos. O homem tem que obedecer às leis de trânsito, as leis do município, do estado, do país, mas em todas estas, sempre descobrem uma brecha para agirem de forma aparentemente legal, mas por trás agem no erro constante. Assim, a normalidade nesta ação leva as pessoas a estarem acostumadas a viverem no erro como se fossem certos.

Um dos maiores problemas da humanidade é que o homem não assume seus atos irresponsáveis. Ele age indiscriminadamente contra o meio em que vive e contra eles mesmos. Ele transfere para os que estão em sua volta, quer estejam nas funções de pais, ou chefes e lideres. A sociedade está transformada, longe dos padrões criados por Deus. As influências negativas são geradas de forma natural e lançadas de modo exacerbadas pelo sistema globalizado gerando necessidades incontroláveis.

A vida atribulada do cotidiano em busca do ter, trás conseqüências irreversíveis. Na correria da vida, as pessoas não param, a alimentação é irregular, o descanso é irregular, o lazer é irregular. A irresponsabilidade pelo seu próprio ser, criou um padrão sem afetividade e insensíveis a sua própria condição. Caminhando em uma estrada sem volta, o homem chega ao abismo de sua vida sem perceber que não há mais solução, se não despertarem para voltar para o criador.

O que o homem não sabe, é que todos seus atos irresponsáveis terão que ser prestado contas com a justiça terrena e impreterivelmente pela justiça divina. Paulo diz: “Todas as coisas são lícitas, mas nem todas convêm; todas são lícitas, mas nem todas edificam.” (1 Coríntios 10:23), o autor de Eclesiastes, também diz que o jovem aproveita a vida ao máximo seguindo o seu enganoso coração, mas ele tem que saber que de tudo o que fizer e disser, um dia prestará contas a Deus. (Eclesiastes 11:9)

Quando o homem recebe Cristo, ele nasce de novo, conseqüentemente adquire uma responsabilidade maior: representar o Criador, com sua própria vida, neste mundo tenebroso. E neste momento temos que ter o cuidado de testemunhar o amor de Cristo. Seremos cobrados pelos homens e por Deus, uma vida honesta, correta de responsabilidade.

Você está cumprindo esta responsabilidade? Como são os seus atos diante dos homens e diante de Deus?

Pense nisso!

Pastor Edson Sobreira Alves

domingo, 9 de maio de 2010

Fidelidade incondicional ou recíproca


Em 1923, no Japão, o professor universitário em Tókio, Eisaburo Ueno, era acompanhado por seu cão chamado Hachiko, todos os dias até a estação de trem quando ia ao trabalho. O cão ficava até a partida do trem e voltava para casa. Antes da volta do dono, o cão já estava esperando-o atento na praça, exatamente às cinco horas da tarde. Em 1925, Certo dia o homem não voltou, havia falecido no trabalho. A família mudou da cidade, mas o cão não se conteve. Seguindo os trilhos ele voltou para mesma casa, encontrando outros moradores, então, ele ficou morando debaixo de vagões antigos perto da estação. Todos na região conheciam o cão e o alimentava. Quando dava a hora de seu dono ir ao trabalho, lá estava ele na estação, voltava para o velho trem e quando estava perto das cinco da tarde retornava para a estação, sentava na praça e ficava esperando seu dono voltar até tarde da noite, isso se repetiu todos os dias durante nove anos seguintes. Até que em 1934, já velho e debitado, o cão morreu deitado na praça esperando a volta de seu dono. Se você ir na cidade Shibuya no Japão encontrará na praça uma estátua de bronze do cão em seu posto, atento olhando em direção a porta da estação.

A fidelidade deste cão reflete a nossa infidelidade. Descobrimos que somos infiéis em vários sentidos. Se voltarmos ao tempo, os nossos pensamentos, vocês que são casados, procurem lembrar no dia de seu casamento. As palavras de promessas proferidas por vocês, estão sendo cumpridas? “Estaremos unidos, na alegria, na tristeza, na saúde, na doença, até que a morte nos separe”. As pessoas não dão conta do que prometem, e também não medem as conseqüências das promessas não cumpridas. Fidelidade no Antigo e no Novo Testamento tem o mesmo significado: convicção, que é manter-se firme todo o tempo, ser verdadeiro, ter a certeza de algo que há convicção, como uma coluna que é capaz de sustentar tudo, mesmo no maior abalo sísmico. É o suporte que sustenta a porta para que ela não feche com o vento.

A fidelidade do Criador é incomparável. Diante de todas as suas palavras reveladas, podemos descansar na fidelidade de suas promessas.

Em Romanos 4.19-25, o apóstolo Paulo fala sobre Abraão, que mesmo em avançada idade, não duvidou do que Deus havia prometido a ele, e isso foi imputado por justiça. Da mesma forma, Paulo fala da fidelidade de Cristo para conosco, cumprindo até o fim o Seu propósito e que a justiça foi imputada em nós, quando cremos em Cristo Jesus.

A fidelidade é reciproca e está ligada a convicção naquilo que cremos. Nosso Deus é fiel e sabemos disso, mas somos infiéis. Os cristãos deveriam buscar esta fidelidade na santidade e que esta deveria ser gradativa no crescimento, mas está havendo um decréscimo. Estamos descendo e não subindo para o alto.

Infelizmente, podemos observar claramente a falta de convicção dos cristãos em nossos dias. As pessoas estão moldadas ao mundo cotidiano de suas vidas. Não param mais para refletir naquilo que crêem, num Deus poderoso, onipotente, onisciente, onipresente. O Deus das promessas, do amor e da justiça. O Deus que pode, que em suas mãos está todo o poder. Parece que os cristãos dos nossos dias não crêem no mesmo Deus que abriu o Mar Vermelho, que derrubou as muralhas de Jericó, que venceu as batalhas com um número menor de homens em relação aos oponentes, que ressuscitou Cristo dentre os mortos. O Deus que preparou as moradas celestiais, o Deus de Abraão, de Isaque, de Jacó, de Edson, de Giovanni, de Almir, de Adassa, de George Wellck, de Lucas, de Tomé, de Marcos, de Lounsbrougt, de Sarah, de Jonathas Edwards, de Lutero, de Charles Spurgeon, de Francisco, de João, de Maria, de Joaquim, de Raimundo, enfim de todos. Ele é Deus, é o nosso Deus e é por isso, que deveremos ser fiéis.

As pessoas são infiéis porque não confiam mais em Deus como deveriam, estão buscando seus próprios esforços, quando todos os recursos racionais se esgotam imploram pela interferência de Deus. Temos que buscar o Senhor agora, e todos os dias, confiar nEle, Ele disse que haverá um dia em que não O acharão e será tarde demais.

A infidelidade reina, nos casais, nos filhos, nos amigos, nos colegas, nos cristãos, êpa! Nos cristãos? O mundo é como um buraco se abrindo na terra, como se o diâmetro deste buraco fosse crescendo a cada momento, aumentando também na velocidade, e muitos tentam se agarrar nos galhos das árvores, mas também elas são puxadas, alguns correm com grande velocidade mas, lá na frente não conseguem competir e também caem, mas no meio deste grande terreno se desmoronando existe uma rocha onde o caminho para chegar lá é muito estreito e poucos foram por ele e chegaram nela, justamente nesta rocha, todos aqueles que estavam lá foram protegidos. Teve alguns que foram por caminhos mais fáceis e até pensavam que estavam firmes na rocha, mas não estavam, eles se enganaram e também caíram Tudo isso porque não foram fiéis em suas convicções. Um dia eles disseram: “Hoje recebi Cristo como Senhor e Salvador da minha vida”. Mas não foram fiéis, nos dízimos e nas ofertas, em usar seus dons para a obra de Deus, em proclamar aos outros a salvação em Cristo Jesus, em louvar a Deus em Espírito e em verdade, em entregar seus corpos como sacrifício vivo e agradável a Deus, em fazer seu devocional diariamente alimentando-se da Palavra que é o essencial para o fortalecimento espiritual, e não oraram diariamente para manifestar sua gratidão e necessidades diante do Senhor. Então não foram fiéis, mas Deu continua fiel, Ele cumprirá o que prometeu.

Ao fiel:

“Disse-lhe o senhor: Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor. “(Mateus 25.21)

Ao infiel

“E o servo inútil, lançai-o para fora, nas trevas. Ali haverá choro e ranger de dentes.” (Mateus 25.30)

Pense nisso!

Pastor Edson Sobreira Alves

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Vivendo como filhos na dependência do pai






Podemos observar em nossos dias, que a maioria dos cristãos vivem como órfãos, ou como se o pai estivesse distante. Nossa vida como filhos de Deus teria que ser como de filhos pequenos que nunca saem dos braços e da dependência do Pai. Nunca, diante do nosso eterno Pai seremos independentes, sempre estaremos em suas mãos, em seus cuidados, em seus ensinamentos. Nunca devemos ficar longe dEle, devemos morar na mesma casa, pois, sempre estaremos buscando Suas orientações.

Mas, infelizmente vivemos como se fosse filhos abandonados, ou bastardos, como se nosso Pai fosse negligente, ausente. Pelo contrário, nosso Pai nunca nos abandona, Ele participa de todas as nossas alegrias e tristezas, nos consola em todos os momentos de nossas vidas, Ele está presente até quando estamos dormindo “...aos seus amados ele o dá enquanto dormem.”(Salmo 127:2).

O cristão dos nossos dias está muito mais preocupado com o ter do que com o ser. Desesperados com o vírus do consumismo impregnado em suas vidas, esquecem que buscando primeiro ao Pai, todas as coisas necessárias serão acrescentadas (Mt. 6:33).

É lógico que ninguém deve ficar de braços cruzados e sentados esperando tudo cair do céu. É o Pai quem nos dá a sabedoria, a força e saúde necessária para obtermos nosso sustento diário, mas quando extrapolamos em nossa busca no materialismo excedente , na moda, na luxúria, estaremos nos distanciando do Pai, e como o "filho pródigo" cairemos na malha fina da perdição, no fundo do poço e só assim, então, reconhecermos que estar na presença do Pai é incomparavelmente melhor do que em qualquer outro lugar.

Nenhum pai faria o que nosso Pai fez por nós, entregar seu próprio Filho, perfeito, obediente, sem pecado, para morrer por nós, imperfeitos, desobedientes e com pecados. O presente que Ele nos deu jamais poderemos retribuir, no entanto, Ele quer nos dar mais presentes, mais graça, várias graças, muito mais graça, e assim, devemos reconhecer nEle nossa total dependência.

Irmãos, devemos estar sempre na presença dEle, orando constantemente, lendo a Sua palavra , meditando e aplicando em nossas vidas diariamente. Quantos de nós, quando passamos por dificuldades fazemos de tudo para pedir, buscar ao Pai, nos ajoelhamos, clamamos, ficamos desesperados buscando a Sua presença, mas quando estamos bem financeiramente, com saúde, não oramos agradecendo, não nos ajoelhamos, não clamamos, não choramos de alegria diante de um Pai tão amoroso.

Devemos viver como filhos de Deus, na total dependência dEle. Pense nisso!

Pr. Edson Sobreira Alves